19 de setembro de 2016

BRUXA DE BLAIR (2016)


NOTA: 8.0

Confira o especial sobre os dois filmes anteriores da Bruxa de Blair, com curiosidades e segredos escondidos no segundo filme: ESPECIAL A BRUXA DE BLAIR

Em 1999, A Bruxa de Blair estreava nos cinemas fazendo história: com um orçamento de U$ 60 mil dólares, o longa faturou U$ 248 milhões no mundo todo, se tornando o filme de baixo orçamento que mais ganhou dinheiro, além da ótima campanha de marketing dizendo que a história da bruxa era real e que os três estudantes, Heather Donahue, Joshua Leonard e Michael Willliams, tinham realmente desaparecido na floresta de Burkisttville, ou Black Hills, ou Blair. Logo foi revelado que tudo era mentira, que foram os diretores Daniel Myrick e Eduardo Sánchez, que inventaram toda a história, e que os três estudantes estavam bem. Menos de um ano depois, entrando no sucesso do filme, lançaram a pérola chamada Bruxa de Blair 2 - O Livro das Sombras, continuação que foi massacrada pela crítica, pelos fãs, e que acabou sendo um fracasso de bilheteria também. De 2000, pulamos para 2016, quando foi anunciado o trailer de Bruxa de Blair (Blair Witch, 2016), que foi filmado secretamente com o título de "The Woods" e que seria uma sequência direta do primeiro filme. Dirigido por Adam Wigard (do ótimo Você é o Próximo, e VHS), o terceiro filme da série se passa dezessete anos após os eventos do primeiro filme, seguindo a mesma linha do "found footage" (fita encontrada), mas agora com mais tecnologia, e mais exageros. No elenco estão James Allen McCune, Callie Hernandez, Valorie Curry, Brandon Scott, Corbin Reid e Wes Robinson

James organizou uma expedição para a floresta de Black Hills para procurar sua irmã, Heather, que tinha desaparecido na floresta há 17 anos atrás. Junto com três amigos, Lisa, Peter e Ashley, ele encontra dois moradores da cidade de Burkisttville, Lane e Talia, que colocaram um vídeo na internet que pode ser uma pista de onde sua irmã está. Os quatro amigos não acreditavam muito na história da floresta e na lenda da bruxa de Blair, mas não demora muito para eles se perderam e presenciarem coisas assustadoras na floresta, e descobrirem que a lenda é mais real do que parece. 


O terceiro filme da bruxa de Blair utiliza praticamente todos os elementos do primeiro filme, e junta com tudo que tem nos filmes de terror da atualidade, se tornando um filme exagerado, mas eficiente no suspense. Parece uma sequência e uma refilmagem ao mesmo tempo. Os bonecos de gravetos, as pedras, os jovens perdidos e desesperados, até a macabra casa do final e toda a história da lenda da bruxa estão no filme, servindo como uma bela nostalgia para quem viu o primeiro A Bruxa de Blair. A novidade fica na tecnologia que os personagens usam para não se prederem na floresta e documentarem tudo o que acontece. Todos usam uma pequena câmera individual junto com eles, o que dá uma interessante visão de tudo do que pode acontecer, além das câmeras de mão comuns, rádios, celulares e um drone com um barulho muito chato que serve para ter uma ampla visão da floresta.

Adam Wigard conseguiu criar um clima de tensão assustador que envolve e deixa o espectador aflito. A floresta é assustadora, e bem diferente da que aparece no primeiro filme, e nas cenas à noite tudo fica mais apavorante com os fortes e tensos barulhos que a floresta faz. Se você se assustava com as batidas de pedras e as vozes do primeiro filme, é bom se preparar para essa sequência. Você pode não se assustar, mas não quer dizer que não seja assustador. Cenários escuros, coisas estranhas acontecendo, e personagens sumindo, nada mudou. Mas agora, temos a tecnologia mostrando tudo. Alguns personagens são carismáticos e é possível se identificar com algum, mas eles caem no clichê de fazerem tudo errado e se tornarem estúpidos, parecendo tudo muito exagerado. A ideia de colocar o irmão de Heather como protagonista foi muito interessante, mas achar que ela poderia ainda estar na floresta todos esses anos, é um pouco forçado. 


Se você não estava gostando muito do desenrolar do filme, a parte final pode mudar sua opinião, já que entramos em um cenário bastante familiar: a casa onde Heather e Michael entram no final do primeiro filme. Claro que, para deixar tudo mais apavorante e macabro, está chovendo, com direito a raios, trovões, gritos desesperados, correria, barulhos sinistros, um final bem interessante, e claro, a resposta da pergunta que todos querem saber: a bruxa existe? E ela aparece? Veja o filme e tire suas próprias conclusões. No final de tudo, o novo filme da lendária bruxa tem mais acertos do que erros, e é um ótimo entretenimento para levar sustos fáceis e previsíveis, aliados a um cenário assustador cheio de barulhos, e situações tensas daquelas de você desejar nunca entrar na floresta de Burkisttville, ou em qualquer outra floresta. Bruxa de Blair não é o melhor filme de terror do ano, e está longe de ser melhor do que o primeiro filme, mas cumpre seu papel muito bem, e ainda, dá uma grande nostalgia sobre a lenda da bruxa mais famosa do cinema. 












15 de setembro de 2016

O HOMEM NAS TREVAS



NOTA: 10,0

Por mais que Hollywood seja a maior industria do cinema mundial, ainda fazem filmes ruins e mais do mesmo, sem nada inovador. Acho que os dois gêneros que mais pecam nisso são o terror e o suspense, e a prova disso são as desnecessárias sequências e refilmagens que acabam afundando nas bilheterias. Mas milagres acontecem, e de vez em quando surgem ótimos filmes e que surpreenderam, tanto nas críticas quanto nas bilheterias: Corrente do Mal, Quando As Luzes Se Apagam, Rua Cloverfield 10 e Águas Rasas. O diretor uruguaio Fede Alvarez, que dirigiu a excelente refilmagem de A Morte do Demônio, nos traz mais um filme para entrar nessa pequena lista de grandes surpresas que raramente aparecem: O Homem Nas Trevas (Don't Breath, 2016). Produzido por Sam Raimi, o suspense, que tem inspirações em Um Clarão no Escuro e O Quarto do Pânico, além de "homenagens" a O Silencio dos Inocentes e Cujo, é um dos mais tensos e surpreendentes filmes dos últimos anos. No elenco estão Jane Levy, Dylan Minette, Stephen Lang e Daniel Zovatto. 

Os adolescentes Roque (Jane), Alex (Dylan) e Money (Daniel), são amigos que querem sair de sua cidade natal e mudar de vida, e para isso, eles assaltam casas. Money descobre que tem um veterano do exército aposentado, e cego, Norman (Stephen), que ganhou uma enorme quantia em dinheiro como indenização pela morte de sua filha. O que era para ser um simples assalto, se transforma em uma corrida para sobrevivência, já que o homem cego não vai deixar eles passarem impune do que estão fazendo. 

O Homem nas Trevas é um filme de suspense muito bem planejado, rico em detalhes, e com um roteiro inteligente, ainda que tenha algumas situações absurdas e clichês. Fede Alvarez consegue criar um clima de suspense e tensão incrível, tanto pelas situações que os personagens passam, o ambiente escuro e assustador, e os movimentos de câmera, que tornam tudo ainda melhor. O roteiro é engenhoso, prende a atenção do espectador, cria ótimas cenas de perseguição, com direito a surpresas, reviravoltas e revelações que deixam tudo ainda mais interessante. O diretor também é eficiente ao mostrar a casa do homem cego nos mínimos detalhes, onde se passa a maior parte da trama, fazendo o espectador entrar dentro filme e ajudar os personagens a encontrar objetos para se defender e formas para sobreviver. Simplesmente brilhante. 



Um dos pontos mais interessantes de O Homem nas Trevas são os personagens e os motivos que os levam a cometer os crimes. Nenhum deles são bons, e todos fazem coisas que os definiriam como os vilões, mas o filme tem uma inversão de valores que logo percebemos quem são os mocinhos. Os três amigos são assaltantes que querem se mudar da falida cidade onde moram, roubando objetos para conseguir dinheiro. Jane Levy, Dillan Minette e Daniel Zovatto estão excelentes, principalmente os dois primeiros, e nos entregam convincentes atuações, principalmente nas cenas de ação. Jane quer ir embora com sua irmã para se ver livre de sua mãe alcoólatra e o seu mal exemplo; Dillan é filho de um policial da cidade que não quer mais assaltar residências; e Daniel é um apenas um ladrãozinho medroso e metido. O próximo alvo dos assaltantes é um cego ex-veterano de guerra, cuja a filha morreu em um acidente de carro. Chamado de "homem cego" durante o filme todo, Stephen Lang rouba a cena, e de uma simples vitima se torna um assassino que não perdoará os três jovens até que eles morram, numa atuação assustadora e impactante. Sua interpretação como um homem cego é impressionante. Como disse, todos os personagens são criminosos, e são os seus problemas e o caráter que define quem é o vilão e o mocinho. Cabe ao espectador ter a sua opinião.



Assim como no filme A Corrente do Mal, O Homem nas Trevas utiliza a cidade de Detroit como plano de fundo. A cidade passou por uma crise em 2008, com fábricas abandonadas e residências vazias, afetando toda a população, e pouca gente ainda mora lá. Fede Alvarez usa isso a favor do filme, e é um detalhe inteligente que reflete em muitas ações durante a trama. O filme tem alguns pequenos erros em relação ao homem cego, mas são insignificantes, e quando você pensa que os personagens vão conseguir se safar, o pior acontece, mais de uma vez, e é realmente angustiante. 

O Homem nas Trevas não é apenas mais filme, e surpreende ao deixar o espectador aflito, tenso e nervoso durante as suas uma hora e meia de duração, em um suspense contínuo de arrepiar a espinha, com cenas angustiantes e situações assustadoras. Os famosos sustos são muito bem colocados e muito bem planejados, mas não é isso que deixa o filme assustador, e ainda tem espaço para chocantes revelações e reviravoltas que empolgam ainda mais. O resultado final é impactante e surrpeendente, e com certeza deixará sua marca nos filmes de terror. É um dos melhores filmes do ano. O Homem nas Trevas foi um sucesso de bilheteria: custou apenas U$ 10 milhões e já arrecadou quase U$ 90 milhões no mundo todo. Com esse sucesso todo de bilheteria, e de crítica, espero realmente que não tenha uma continuação. 
















14 de setembro de 2016

ESPECIAL A BRUXA DE BLAIR


O subgênero "found footage" (fita encontrada) está em alta nos cinemas mundiais, ainda que vários filmes sejam ruins e que esse subgênero esteja se desgastando. O "found footage" existe há anos, desde os anos 80 com o polêmico Holocausto Canibal, mas foi em 1999, com o mega sucesso A Bruxa de Blair, que o estilo ficou mais famoso, influenciando todas as futuras produções do subgênero. Após oito anos sem nenhum lançamento significativo, o "found footage" voltou com todas as forças possíveis, com o lançamento de REC (2007) e Cloverfield - Monstro (2008), e a partir daí, vários filmes seriam lançados. 

Mas voltando em 1999, A Bruxa de Blair abalou o cinema, e o mundo, com uma história "real" assustadora, o brilhante marketing e sua imensa bilheteria: o filme custou apenas U$ 60 mil dólares e faturou U$ 248 milhões, além de ter ganhado fãs do mundo todo e se tornado uma febre mundial jamais vista no cinema. Não demorou muito para que a imaginação de milhares fosse destruída, com a revelação de que tudo era mentira e que a bruxa de Blair não existe. Um ano depois, A Bruxa de Blair - O Livro das Sombras foi lançado, mas não fez o sucesso do original, e foi massacrado pelos críticos e pelos fãs. A continuação não tinha o estilo "found footage" do original, e apesar de ter uma história boa e assustadora, foi muito mal conduzida e exagerada. Muito se falava sobre uma continuação da saga da Bruxa de Blair, mas nada de concreto aparecia, até que, do  nada, foi lançado o trailer de Bruxa de Blair (Blair Witch, 2016), e com lançamento programado para 15 de setembro de 2016. O novo filme foi produzido secretamente, com o título de "The Woods", e só agora que revelaram que se tratava do terceiro filme da icônica bruxa.

Como de costume no meu blog, decidi fazer um especial sobre os dois primeiros filmes da Bruxa de Blair como uma preparação para a tão esperada sequência. Vamos relembrar sobre  A Bruxa de Blair e nos preparar para o terceiro filme?




A BRUXA DE BLAIR 
(THE BLAIR WITCH PROJECT)

Lançamento: 1999
Direção: Daniel Myrick e Eduardo Sánchez)
Elenco: Heather Donahue, Michael C. Williams e Joshua Leonard
Bilheteria: U$ 248 milhões

Em 1994, três estudantes de cinema estavam fazendo um documentário sobre a lenda de uma bruxa chamada Elly Kedward, na floresta de Burkittsville, que antes era chamada de Blair, em Maryland. Os estudantes nunca foram encontrados, até que, um ano depois, as filmagens foram encontradas, e o material foi editado para se tornar o filme A Bruxa de Blair, lançado nos cinemas. 

Se você assistir o filme agora, A Bruxa de Blair não vai ter o mesmo impacto que teve no seu lançamento, mas ainda impressiona e assusta, mesmo sabendo que tudo é mentira. O filme é a prova que não precisa aparecer o vilão para o filme assustar ou impressionar o público, já que a famosa bruxa não aparece em nenhum momento. A Bruxa de Blair é um filme tenso, com situações arrepiantes e funciona muito bem como um suspense psicológico de primeira, e a cada noite as coisas pioram para os estudantes. O medo que eles sentem, transparece na tela, e o espectador consegue sentir todo o sofrimento, entrando na história de uma forma assustadora. Os detalhes foram os que mais ajudaram a criar o medo que o filme passa para o espectador. Os bonecos de madeira que eles encontram pendurados na árvore, as pedras no chão e toda a simbologia que aparece no filme, deixaram tudo ainda mais realístico do que já era, e assustador.  Mas não é só isso. 



Com a ajuda do marketing mostrando que a lenda é verdadeira, tudo no filme parece ser real, desde as situações, atuações dos personagens e suas reações, deixando tudo ainda mais assustador, fazendo com que o público acredite em tudo. Os personagens ficam angustiados, o choro é de verdade, as brigas são de verdade e muitas situações são reais e nem eles sabiam o que ia acontecer. Sim, tudo o que eles sentiram no documentário é real. Os atores eram desconhecidos e aceitaram usar os seus próprios nomes na produção. Heather, Mike e Josh entraram na floresta sem saber o que ia acontecer, e os diretores e toda a produção começaram a assustá-los de verdade, por isso a reação deles é real. Eles não tinham um roteiro, e sim apenas algumas instruções do que fazer durante os dias que passariam na floresta.

Gostando ou não do filme, A Bruxa de Blair marcou o cinema e influenciou todos os futuros filmes no estilo "found footage". Todos sabemos que a história não é de verdade, não existe a bruxa chamada Ellie Kedward e toda a história dela, desde os anos 1800, não existe. Vale lembrar que, na época do lançamento do filme, a internet ainda era para poucos, e não tínhamos todos os recursos para pesquisar e descobrir verdades. A produção do filme começou ainda em 1994, quando os diretores Daniel Myrick e Eduardo Sánchez, começaram a inventar uma lenda sobre uma bruxa que desapareceu  na floresta de Blair após ser banida de sua vila. Anos depois, lançaram um site com toda a história criada para dar mais veracidade no lançamento do filme. E pronto. Filme lançado, e o site com toda a história da lenda estava online, não tinha porque ser tudo mentira. Claro que, anos depois, tudo foi descoberto e revelado, mas o sucesso já tinha acontecido e o filme marcou o cinema no finalzinho dos anos 90. 



A Bruxa de Blair é um grande exemplo de como um bom marketing e dedicação pode fazer um simples filme ser um enorme sucesso cinematográfico, em todos os aspectos. É uma história assustadora, com um ambiente assustador, que toca na imaginação do espectador e nos faz sentir amedrontado com tudo o que acontece durante o filme. A Bruxa de Blair pode não impressionar mais, e ter o mesmo efeito na época do seu lançamento, mas o legado deixado para o cinema é inegável. Logo abaixo tem o link do site oficial que foi lançado na época, tudo em inglês, óbvio, e depois, conheça a história criada pelos diretores.

Site oficial do filme, com todas as informações: http://www.blairwitch.com


 





MAKING OF (EM INGLÊS)





A LENDA DA BRUXA DE BLAIR

Tudo começou em 1785, numa vila chamada Blair, no estado de Maryland, nos EUA. Várias crianças acusaram uma mulher chamada Ellie Kedward de atraí-las para sua casa e tirar o sangue delas. Acusada de bruxaria pelas pessoas da vila, ela foi banida na floresta de Blair durante o inverno, e nunca mais foi vista. Em 1786, os filhos dos que acusaram Ellie Kedward pelo crime, desapareceram, e com medo, todos abandonaram a vila sem falar no nome de Ellie, nunca mais. Um livro chamado "The Blair Witch Cult" foi publicado, em 1809, contando todos detalhes sobre o que aconteceu em Blair. 

Em 1824, é fundada a cidade de Burtksville, na mesma área da vila de Blair. Não levou nem um ano para que crianças começassem a desaparecer. Uma menina chamada Eillen Treacle desapareceu, mas onze testemunhas disseram que viram uma mão de uma mulher sair da água do rio e pegar a menina. Seu corpo desapareceu e nunca foi encontrado. Treze dias depois, surgiram vários galhos em um rio perto da cidade. Em 1886, outra menina chamada Robin Weaver também desapareceu, e várias equipes de buscas foram acionadas. A menina voltou para casa, mas um grupo de busca não foi encontrado, e semanas depois, esse grupo foi encontrado em um lugar chamado "Coffin Rock", onde estavam amarrados e com as entranhas para fora do corpo.  

Em 1941, mais sete crianças desapareceram, e dias depois, um homem chamado Rustin Parr, entrou em um mercado dizendo: "finalmente terminei". A policia encontrou os corpos das sete crianças desaparecidas mortas na casa de Parr, que foram assassinadas e, segundo o acusado, colocava as crianças de costas em uma parede e as matava (lembra da cena final do filme?). Ele foi acusado pelo crime e enforcado. 


Nada mais aconteceu, até outubro de 1994, quando os estudantes Heather Donahue, Michael C. Williams e Joshua Leonard entraram na floresta de Burkittsville, a antiga Blair, para investigar sobre todos os acontecimentos envolvendo uma bruxa (Ellie Kedward), e nunca mais fora vistos. Cinco dias depois, a policia local iniciou uma busca pelos estudantes, e acabaram encontrando o carro de Josh. Uma busca maior se iniciou na floresta de Burkisttvile, com a ajuda de mais de cem pessoas, cães, helicópteros, e até um satélite, que durou cerca de dez dias. As buscas se encerraram em novembro do mesmo ano, já que ninguém encontrou os estudantes e nenhuma evidência do desaparecimento. A mãe de Heather, Angie Donahue, continuou as buscas por conta própria, até julho de 1995, quando o caso foi dado como encerrado, que as provas não foram conclusivas. 

Em outubro de 1995, um grupo de estudantes da universidade de Maryland encontrou as filmagens dos três estudantes desaparecidos perto de uma casa abandonada na floresta de Burkisttville (lembra da casa que aparece no final do filme?). O xerife da cidade, Ron Cravens, confirmou que as filmagens eram de Heather, Mike e Josh, e os videos foram mostrados para as famílias, em dezembro do mesmo ano. Após as análises, a mãe de Heather achou que as evidências não eram conclusivas, e exigiu ver o restante das filmagens, que segundo os policiais, eram falsas. Angie, mãe de Heather, criticou publicamente o xerife Cravens, e as fitas foram arquivadas pelo governo, sem que ninguém tivesse acesso. Em março de 1996, o xerife encerrou o caso, alegando que as provas não foram conclusivas. Em outubro de 1997, as fitas foram liberadas para as famílias dos estudantes desaparecidos, e Angie Donahue entrou em contato com a produtora Haxan Films, para analisar o material das filmagens, que acabou sendo editado e transformado no filme A Bruxa de Blair. 


OS ATORES ATUALMENTE

Heather Donahue, Michael C. Williams e Joshua Leonard continuaram atuando no cinema e em séries de TV após o lançamento de A Bruxa de Blair. Heather participou no filme Amor ou Amizade, em 2000, na série Taken, em 2002, e em alguns episódios de outras séries. Seu último papel como atriz foi no filme The Morgue, em 2008. Atualmente, ela escreveu um  livro chamado "Como a minha vida depois de A Bruxa de Blair me levou à maconha", e vende maconha nos EUA para fins medicinais (em vários estados do país a maconha é liberada para uso medicinal). 

Michael C. Williams participou de alguns episódios da série Law e Order, em 2000, e no filme Força Especial (The Objective, em 2008). Joshua Leonard foi o que mais se destacou no cinema, fazendo vários filmes, entre eles, Se Eu Ficar (2014), Homens de Honra (2000), e em varias séries, como CSI: Miami, CSI: NY, Criminal Minds, e recentemente em seis episódios da série Bates Motel, em 2015. 


Esquerda para direita: Joshua Leonard, Heather Donahue, um membro da imprensa, e Michael C. Williams


Heather, Josh e Mike




Confira abaixo um documentário, FALSO documentário na verdade, do Discovery Channel, sobre a lenda da bruxa de Blair. Está dividido em cinco partes. É muito interessante, e deixa a lenda ainda mais assustadora





























BRUXA DE BLAIR 2: O LIVRO DAS SOMBRAS

Lançamento: 2000
Direção: Joe Berlinger
Elenco: Kim Director, Jeffrey Donovan, Erica Leerhsen, Tristine Skyler e Stephen Turner
Bilheteria: U$ 47 milhões


Quando um filme faz sucesso nas bilheterias, é quase certo que terá uma continuação. Isso sempre teve em Hollywood, e ainda tem, mas atualmente tem muito mais. A Bruxa de Blair foi um sucesso de bilheteria, além de ter ficado famoso no mundo todo e ganhado milhões de fãs, e com isso, os produtores decidiram fazer uma continuação para "explicar melhor a historia", que na verdade era só para ganhar mais dinheiro. Eis que surge a pérola Bruxa de Blair 2: O Livro das Sombras (Book Of Shadowns: Blair Witch 2), continuação feita às pressas que foi um fracasso de crítica e um desastre de bilheteria, sendo odiado pela maioria dos fãs. Não dá para dizer que o filme é ruim ao extremo, porque não é, e tem muitas coisas interessantes que a continuação mostra, além da relação com o primeiro filme.

Um grupo de cinco estudantes Kim, Erica, Jeffrey Tristine e Stephen, vão até a floresta de Burkisttiville para rodar um documentário sobre a lenda de uma bruxa que vive na floresta, e que foi responsável pelo desaparecimento dos três estudantes do primeiro filme. Após passarem a primeira noite na floresta, o grupo se hospeda na casa de Jeffrey, e não demora para coisas estranhas acontecerem com eles. 


A Bruxa de Blair 2 foi filmado de modo convencional, sem o estilo "amador" found footage, e segue a regra que a continuação tem que ser maior e mais violenta para ser melhor do que o original. O primeiro filme foi extremamente assustador e usava somente o suspense e mistério para impressionar o público. Já a continuação, praticamente esquece esses elementos, e abusa do sangue, violência, gritos, sexo e nudez, elementos batidos no terror. Ainda tem um misteriosinho, e um pouco de suspense, mas mada relevante o suficiente. A fotografia não ajuda tanto no suspense, mas ainda é eficiente em alguns momentos, principalmente em uma cena que Kim vai buscar cerveja e entra numa estrada deserta à noite. 

Mas como disse, a continuação não é tão ruim. Ainda tem um mistério e suspense, e a situação que os personagens passam é bem assustadora, se colocando no lugar deles, claro. A ligação com o primeiro filme também é interessante, já que mostra o que aconteceu após o desaparecimento dos três estudantes, a repercussão e todo o impacto que o filme causou na vida das pessoas, com os fãs querendo investigar a floresta para "encontrar" a bruxa, e as vendas de produtos inspirados na lenda da bruxa de Blair. 


A atuação dos personagens é um grande problema do filme. Todas são superficiais demais, sem nenhuma emoção ou sentimento, onde tudo é forçado e sem nexo. Os atores usaram os seus primeiros nomes de verdade nos personagens. Temos a gótica com poderes mediúnicos, Kim, a bruxa do bem Erica, o ex-viciado e recém saído do hospício Jeffrey, e o casal Stephen e Tristen, que querem fazer um documentário definitivo sobre a lenda da bruxa de Blair. Nenhum deles convence, e todos são exagerados e desesperados demais. 

O resultado final de Bruxa de Blair 2: O Livro das Sombras, apesar de ter alguns acertos, é desastroso e desnecessário, tudo porque o filme foi feito às pressas para pegar o embalo do sucesso do primeiro filme. Ainda tem uma certa tensão e suspense, mas não é o suficiente para deixar o espectador aflito, assim como o original deixou, e muito menos marcar o cinema como o anterior fez. Mas vale a pena assistir para se ter uma noção da febre mundial que A Bruxa de Blair causou. Essa continuação funcionaria, talvez, se fosse anunciada como um spi-off, e não uma continuação. E de fato, parece mais um spin-off mesmo. 




O SEGREDO DE "ESREVER"

O segredo de "esreveR" é um enigma que só foi revelado no lançamento do DVD. Em um extra do DVD, diz que existem várias cenas em que aparecem coisas estranhas do filme, além de pistas sobre um segredo, uma mensagem escondida, para o espectador resolver. Claro que você terá que ver todo o filme, mas eu  fiz print das cenas que aparecem esses segredos, e confesso que não sabia disso tudo até quando eu fiz essa postagem. É muito interessante e fica legal se você ver o filme de novo sabendo disso. 

"esreveR" signifca "Reverse" (ao contrário, em português), e são mencionadas cinco palavras, que são pistas de onde estão alguns segredos:  DOOR (porta), GRAVE (túmulo), RUG (carpete), WATER (água) e MIRROR (espelho), além de algumas palavras que aparecem escondidas, e servem para resolver o enigma. Vamos então, desvendar esse segredo?

PORTA (door):

Lá pelos 52 minutos e 50 segundos de filme, Stephen sai do quarto onde está Tristen para procurar Erica. Quando ele abre a porta aparece um rosto de uma criança refletida na porta. 



GRAVE (túmulo)

Nessa dica aparecem duas pistas, sendo que uma serve para resolver a mensagem escondida. A pista solucionar a mensagem vou citar depois. No início do filme, quando o grupo vai buscar Kim no cemitério e eles vão embora, aparece uma sombra do galho que parece um homem pendurado. A partir dos 8 minutos e 45 segundos, você poderá ver. Lembra que Josh, Mike e Heather encontram esses galhos em forma de bonecos? Esses bonecos de galhos aparecem em vários momentos do segundo filme. 



Na mesma cena, quando o grupo está chegando no cemitério, pouco antes de encontrarem Kim, ela está deitada em um túmulo. Não é um túmulo qualquer. O nome que aparece no túmulo é TREACLE. Lembra na história da Bruxa de Blair, onde uma menina é puxada para dentro do rio pela mão de Ellie Kedward? O nome dessa menina é Eillen Treacle.



WATER (água)

No sonho de Tristin, quando ela vai até o rio com uma toalha e simula um afogamento, nos 23 minutos e 18 segundos, aparece o reflexo de outro boneco com galhos na água. A  medida que a corrente anda, essa sombra se mexe. Assistindo a cena fica mais fácil de observar. 



MIRROR (espelho)

Em uma das cenas que Jeffrey está sendo interrogado pelo xerife, nos 31 minutos e 18 segundos, o xerife passa na frente de um vidro espelhado, e um rosto deformado aparece olhando para a gente. 



RUG (carpete)

Logo depois da cena em que Kim sai do furiosa do mercado, nos 48 minutos e 57 segundos, Erica aparece ajoelhada se balançando e repetindo umas palavras. A palavra OR, que traduzindo para o português seria OU, aparece destacada no carpete. Essa palavra é uma pista para resolver o enigma. 



RESOLVENDO O ENIGMA



Como já disse, existe um enigma para ser resolvido: tem palavras que aparecem escondidas durante algumas cenas do filme, e a ordem em que as palavras aparecem não importa, porque você terá que inverter e formar uma frase que faça sentido. Vou colocar na ordem que aparecem no filme. 

Uma das palavras a gente já encontrou no filme: OR, que aparece no carpete.


FURTHER

Ainda na cena do cemitério, quando o grupo está chegando no lugar para encontrar Kim, ela está deitada em um túmulo. Na primeira cena, a câmera mostra o grupo em pé, e aparece o nome TREACLE. Já disse antes que esse é o nome da menina que foi puxada para dentro do rio na lenda da Bruxa de Blair. Depois, a câmera mostra Kim deitada no túmulo, e quando a câmera mostra o grupo de novo, a palavra mudou, e agora é FURTHER. A cena pode ser vista a partir dos 8 minutos e 26 segundos.



ME

Quando o grupo chega na casa de Rustin Parr, o cara que matou as sete crianças, e eles estão montando o acampamento, tem uma cena em que Erica e Tristin estão conversando. A partir dos 13 minutos e 52 segundos, Erica se deita no chão mostrando a barriga. Do lado, aparece a palavra ME em preto. 



SEEK 

Ainda na cena da casa de Rustin Parr, mas à noite, todos estão sentados ao redor de uma fogueira, bebendo e fumando. A partir dos 15 minutos e 35 segundos, quando Erica está acendendo um cigarro para Kim, uma das chamas da fogueira forma a palavra SEEK. É muito rápido que aparece e para visualizar melhor, use o programa VLC (reprodutor de mídias), e conseguirá ver a parte certa na opção "quadro à quadro". 



NO

Na cena em que Erica e Stephen estão se "pegando", ela arranha o peito dele e sai um monte de sangue. Logo após isso, nos 43 minutos e 34 segundos, aparece a palavra NO na parte de cima da janela. 



Agora que já encontramos as cinco palavras escondidas no filme, vamos descobrir qual é o segredo. As palavras que encontramos são:

OR - FURTHER - ME - SEEK - NO

Essas palavras formam uma frase, mas a ordem está invertida. A única ordem que faz sentido ser uma frase é "Seek Me No Further Or", que traduzindo seria algo como "Não me procure mais, ou". A última palavra, "ou", sugere que a frase tem uma continuação, ou seja: falta uma parte do enigma. 

Quase no final do filme, tem uma cena em que o grupo encontra o corpo de Erica em pé em um armário, e eles começam a discutir. Logo depois, Tristin, que estava deitada na cama, aparece e começa a falar que "tudo está ao contrário", e cita uma frase de forma estranha, a partir de 1 hora e 09 minutos de filme: "EERF KLAW NIAGA LLIW NERDLIHC EHT". Levando em consideração ao que Tristen disse pouco antes, se lermos a frase ao contrário, ela será "The Children Will Again Walk Free", que traduzindo seria algo como "As Crianças Irão Andar Livres Novamente".

Agora, o segredo está completo, e podemos completar a charada. Juntando as duas frases, ela será Seek Me No Further Or, The Children Will Again Walk Free (Não me procure mais, ou as crianças irão andar livres novamente). Interpretando essa frase, a mensagem diz que se o grupo não parasse de buscar informações sobre Ellie Kedward, ela iria soltar as crianças. 



OUTRAS IMAGENS OCULTAS

Além dessas imagens escondidas para desvendar a mensagem, existem várias outras cenas com detalhes que não percebemos. Abaixo vou citar algumas.

RUSTIN PARR

Lembra na história da Bruxa de Blair, que em 1941, um homem chamado Rustin Parr entrou no mercado local e disse, "finalmente terminei". Eles investigaram e descobriram os corpos de sete crianças que estavam desaparecidas em sua casa. Logo depois, ele foi acusado e enforcado. No filme, ele não aparece, mas no falso documentário (que postei aqui antes) ele aparece. Em Bruxa de Blair 2 - O Livro das Sombras, o homem que interpretou Rustin Parr aparece no filme, na cena em que Kim está no mercado. Parr está deitado no chão arrumando a geladeira, Kim vê ele no chão, e o cara diz: "eu terminei agora", que é uma referência ao que ele disse no mercado. Ainda, as ferramentes de Parr no chão, estão arrumadas na forma do boneco com galhos. A cena pode ser vista a partir dos 47 minutos




FERRAMENTAS ENSANGUENTADAS

Ainda na cena que Kim vai no mercado, e depois quando ela vai embora, as ferramentas encostadas na parede aparecem com sangue. A cena aparece a partir dos 48 minutos e 35 segundos




ROSTO NA FUMAÇA

Na cena que o grupo está acampando nas ruínas da antiga casa de Rustin Parr, Stephen está fumando cigarro, e na fumaça aparece um rosto. Alguns dizem que é o rosto de Jefrrey gritando. O rosto aparece nos 16 minutos  09 segundos de filme, e para poder ver melhor, que tem ver pausadamente. 



Então é isso. Se você encontrar algum outro segredo escondido, deixa uma mensagem para a gente. E vamos esperar ansiosamente para o lançamento do terceiro filme da Bruxa de Blair. Será que vamos descobrir o que houve com Heather? Será que a lendária Bruxa de Blair vai aparecer?